terça-feira, 9 de abril de 2019

5 Ferramentas que todo cristão deveria saber manusear muito bem

Uma ferramenta é um instrumento facilitador, que nos ajuda a realizar determinadas atividades de forma mais produtiva. Com as mãos não conseguiríamos pregar um prego em uma madeira, mas a ferramenta martelo realiza e facilita esse trabalho. Com as mãos não conseguiríamos derrubar uma árvore, mas a ferramenta machado afiado realiza e facilita esse trabalho. Na vida espiritual essa verdade não é diferente! Existem muitas coisas que não conseguimos fazer sem as ferramentas espirituais dadas por Deus para nosso manuseio e bom uso. Usando-as podemos realizar os trabalhos dados por Deus de forma mais facilitada e eficaz.

A questão é que precisamos conhecer essas ferramentas e aprender a manuseá-las em nosso dia-a-dia.

Oração, amor, Palavra de Deus, Jejum, Fé.

1ª ferramenta: Fé

A fé é uma ferramenta indispensável, pois ela é a exigência número um de Deus. Deus, por várias vezes, ensinou em Sua palavra que a ferramenta fé é indispensável para seus servos. Ele disse: “De fato, sem fé é impossível agradar a Deus...” (Hb 11. 6).

Por esse fato precisamos aprender a manusear a fé! Jesus repreendeu várias vezes os seus discípulos por causa de sua falta de fé ou por eles não a usarem de forma eficaz: “Então, lhes disse: Porque sois assim tímidos?! Como é que não tendes fé?” (Mc 4. 40). Outras repreensões de Jesus pela falta de fé (Mt 8. 26; Mt 14. 31)

2ª ferramenta: Palavra de Deus

Se a ferramenta fé nos habilita a crermos em Deus, a ferramenta Palavra de Deus nos habilita a fazermos a Sua vontade e influenciarmos positivamente a vida das pessoas. O Salmista, que amava a Palavra de Deus, declarou a utilidade dessa ferramenta em sua vida: “Lâmpada para os meus pés é a tua palavra e, luz para os meus caminhos.” (Sl 119. 105).

A Bíblia ainda fala que esta ferramenta “é viva e poderosa e corta mais do que qualquer espada afiada dos dois lados. Ela vai até o lugar mais fundo da alma e do espírito, vai até o íntimo das pessoas e julga os desejos e pensamentos do coração delas” (Hb 4.12 – NTLH). Definitivamente precisamos saber manuseá-la bem!

3ª ferramenta: Oração

Orar é falar com Deus, relacionar -se com Ele. Um crente que não manuseia bem a oração não está próximo de Deus. A oração é mostrada na Palavra de Deus como uma ferramenta indispensável na vida do cristão. Jesus exemplificou o bom uso dessa ferramenta, incentivando que a usemos em todo tipo de situação: (Mt 5. 44; Mt 26. 41; Mc 13.33). Jesus também orientou como orar (Mt 6. 5). E diversas vezes vemos na Bíblia demonstrações do poder da oração. Antes de Pedro ser libertado da cadeia por um anjo, vemos escrito que “havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele.” (At 12. 5). Essa ferramenta tem poder e deve ser muito usada!

4ª ferramenta: Jejum

Essa ferramenta não é das mais utilizadas ultimamente pelos cristãos, mas é importantíssima! Temos muitas menções dela na Bíblia sendo usada por servos de Deus. Antes de ser tentado pelo diabo, Jesus jejuou: “E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome.” (Mt 4. 2). Jesus também orientou que determinadas coisas no reino de Deus só podem ser bem realizadas se acompanhadas do jejum: “Mas esta casta não se expele senão por meio de oração e jejum.” (Mt 17. 21). Assim, o jejum se mostra uma ferramenta muito importante para os servos de Deus que desejam servir a Deus plenamente e eficazmente!

5ª ferramenta: Amor

Sem o amor não conseguimos manusear ferramenta alguma! A melhor definição da ferramenta amor que encontrei na Bíblia é: “E, acima de tudo, tenham amor, pois o amor une perfeitamente todas as coisas.” (Cl 3. 14 – NTLH). Manusear bem o amor é fundamental para que todas as outras ferramentas funcionem bem. É através do amor que buscaremos a fé fervorosamente. É através dele que nos empenharemos na busca do conhecimento da Palavra de Deus. É com o uso dele que oraremos pelas mais diversas causas e dobraremos nossos joelhos diante do Pai. É com o amor que conseguiremos dizer não ao nosso corpo egoísta e jejuarmos diante de Deus, dizendo a Ele que O amamos mais que os alimentos. O amor faz todas as ferramentas ficarem amoladas e não enferrujarem.

Conclusão

Quando falamos de ferramentas faz-se necessário alertar que ferramentas precisam estar sempre afiadas para que possam funcionar eficazmente em nossa vida. E para isso elas precisam estar sempre sendo manuseadas, amoladas, preparadas. Assim, manuseie as ferramentas dadas por Deus frequentemente, para que, quando precisar usá-las, elas e você estejam familiarizados!

Fonte: https://www.esbocandoideias.com

segunda-feira, 8 de abril de 2019

Submissão

“Você deve se submeter a mim”, disse o pastor. “Por quê?” disse o líder. “Porque eu estou acima de você e você está abaixo de mim.” Ou pior ainda: “Você precisa se submeter a mim porque é meu discípulo”. Triste.
O “movimento de pastoreio” dos EUA na década de 1970 praticou a submissão forçada do “discipulado” e feriu muitas pessoas no processo. Líderes desse movimento acabaram se arrependendo de seus erros e o movimento se dissolveu. A igreja em células testemunhou um ressurgimento desta mentalidade de submissão errônea nos anos 90 através do modelo G12.

Nós não somos chamados a fazer nossos próprios discípulos,

apenas discípulos de Cristo.


Jesus nunca nos pediu para fazer com que as pessoas nos obedecessem no processo de discipulado. Pelo contrário, somos chamados a fazer seguidores obedientes de Jesus.

Jesus falou contra a submissão forçada quando disse “Vocês sabem que os governantes das nações as dominam, e as pessoas importantes exercem poder sobre elas. Não será assim entre vocês. Pelo contrário, quem quiser tornar-se importante entre vocês deverá ser servo” (Mateus 20:25-26). E se as palavras não bastassem, Jesus “… levantou-se da mesa, tirou sua capa e colocou uma toalha em volta da cintura. Depois disso, derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos seus discípulos, enxugando-os com a toalha que estava em sua cintura (João 13:4-5).

Se você tem que dizer a alguém para se submeter, provavelmente você não é digno de submissão. Ou, se você tiver que imprimir cartões de visita dizendo às pessoas que você é um apóstolo, muito provavelmente você não é um. Em outras palavras, a submissão é uma resposta a uma realidade que não é falada. É por isso que, depois de dizer às esposas que se submetessem aos seus maridos, Paulo disse aos maridos que amassem suas esposas como Cristo amou a igreja (Efésios 5:25). E Paulo começa a narrativa dizendo a ambos os maridos e esposas para se submeterem uns aos outros (Efésios 5:21).

Eu acredito sim em submissão! É bíblico e mútuo. Ultimamente, tive o privilégio de ministrar em duas redes exemplares de igrejas celulares apostólicas onde vi apóstolos amorosos em ação. Dezenas e dezenas de pastores entusiasmados e ávidos se submetem voluntariamente a esses apóstolos. Eu notei uma submissão mútua e uma atmosfera amorosa.

A submissão é bíblica e deve ser praticada de maneira amorosa. O escritor de Hebreus diz: ” Obedeçam aos seus líderes e submetam-se à autoridade deles. Eles cuidam de vocês como quem deve prestar contas. Obedeçam-lhes, para que o trabalho deles seja uma alegria e não um peso, pois isso não seria proveitoso para vocês”(Hebreus 13:17). Todo crente precisa fazer parte de uma igreja local e ser submisso à liderança. Os líderes de célula devem prestar contas aos treinadores e treinadores aos que estão acima deles.

A submissão na igreja em células é especialmente importante, uma vez que o cuidado pastoral é delegado. Um pastor precisa ter confiança naqueles que estão ajudando no processo de pastoreio.

Por Joel Comiskey

terça-feira, 26 de março de 2019

O que eu tenho feito pelo evangelho de Cristo?

Domingo, durante a ministração da palavra do nosso Irmão Anderson Tomé, sobre aprender e já ir fazendo, ser como águias, dar o primeiro e mais um passo, em ser forte e corajoso. O Evangelho de Cristo muitas vezes tem que ser levado com força, com coragem, com ousadia, em intensidade - como o Pr. Giuliano também falou no início.

Seguindo o mesmo raciocínio, quero destacar duas passagens. A primeira é a Parábola dos Talentos em Mateus 25, em que um homem havia confiado aos seus servos, cinco, dois e um talento, e partiu em viagem. Quando do seu retorno, foi acertar contas daquilo que havia confiado a cada servo. Dois deles multiplicaram a quantia confiada e um simplesmente guardou com "medo de perder" e ser repreendido. A respeito do Evangelho de Jesus, como estamos agindo? Multiplicando tudo aquilo que recebemos do Senhor? Obedecendo ao IDE? Pregando o Evangelho a toda criatura? Amando a Deus sobre todas as coisas? Ou dizendo que amamos a Deus e não amamos quem está do nosso lado, o nosso irmão! Se dissemos que amamos a Deus e não amamos ao próximo estamos sendo "mentirosos". Sejamos fortes e corajosos, sejamos ousados e em tudo e façamos com intensidade e com amor! Mas, nunca esqueçamos que temos uma cobertura espiritual, não vamos sair trocando os pés pelas mãos, sem orientação e consentimento, permissão e sem conhecimento da palavra de Deus. Sejamos prudentes!

Na Parábola do Semeador em Mateus 13: 13-15 diz: Por essa razão eu lhes falo por parábolas:" 'Porque vendo, eles não veem e, ouvindo, não ouvem nem entendem'. Neles se cumpre a profecia de Isaías: " 'Ainda que estejam sempre ouvindo, vocês nunca entenderão; ainda que estejam sempre vendo, jamais perceberão. Pois o coração deste povo se tornou insensível; de má vontade ouviram com os seus ouvidos, e fecharam os seus olhos. Se assim não fosse, poderiam ver com os olhos, ouvir com os ouvidos, entender com o coração e converter-se, e eu os curaria'. Em muito das nossas reuniões de discipulado temos falado sobre o "acolhimento dos visitantes", em receptividade! Porém ainda "pecamos" muito quanto a ação. A ousadia virá quando "o passo a mais" for dado. Não importa se já existe alguém que o recepcionou, é uma pessoa, um irmão, uma irmã em Cristo que, talvez, precise do seu abraço, de uma palavra amiga sua, de sentir o calor de Jesus através de sua vida. Acolhimento é muito mais do que anotar o nome, telefone e um pedido de oração. Acolhimento é muito mais que chamar a pessoa pelo nome e orar. Tudo isso faz parte e também é muito importante. Em 1Corintios 13:13 diz: "Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor". Vamos fazer refletir o amor de Cristo através de nós. Uma fase importantíssima da receptividade e do acolhimento é a "adoção". Pergunte o nome, telefone e pergunte se você pode orar por ela, não seja invasivo, tenha a sua permissão para enviar pelo menos uma mensagem durante a semana. Ore por essa pessoa, se ainda não aceitou a Jesus como Senhor, único e suficiente Salvador. Convide-a a participar dos nossos cultos, dos discipulados, envolva-a. Um dos mandamentos deixados por Jesus é amar a Deus com toda a alma, coração e entendimento. Toda alma precisa de salvação e Jesus é o único que tem poder para salvá-las. Gaste seu tempo com ela, pela sua salvação. Amém?

[EQB-MAR/2019]